Nem a chuva parou os Anjos da Noite do Templo Maior

Em pleno inverno, sob a chuva fria, os voluntários dos Anjos da Noite procuraram ajudar os “esquecidos pela sociedade”…

Frio, chuva, vento… todos elementos característicos da estação do ano que vivemos, porém, essa nunca será a justificação para que um dos trabalhos sociais mais recompensadores da Universal fique em suspenso.

Foram mais de dez as viaturas que se aventuraram pelas ruas da capital, não obstante o mau tempo que se fazia sentir naquela noite específica. Nas viaturas seguiam os voluntários dos Anjos da Noite na sua missão semanal: ir em busca daqueles que sofrem, sem que tenham outra opção em vista a não ser pernoitarem nas ruas.

Mais de duas centenas de sopas bem quentes foram distribuídas, juntamente com pães, frutas e sumos. Os alimentos eram entregues nas mãos dos seus destinatários dentro de um saco, devidamente higienizado, cumprindo sempre  as normas instituídas pela Direção Geral de Saúde.

Foi uma noite pautada por obstáculos, não só motivados pelo frio e a chuva, mas porque os mesmos acabam por tornar mais difícil encontrar os sem-abrigo, que tentam abrigar-se o máximo possível, seja debaixo de viadutos, como de albergues por eles improvisados.

Todavia, uma vez mais, os voluntários dos Anjos da Noite conseguiram cumprir a missão que Deus lhes confiou. Mais uma vez, as pessoas que têm sido desprezadas pelas famílias, rejeitadas por muitos, na Universal, através do trabalho dos Anjos da Noite, têm encontrado o socorro tão desejado.

E não se trata apenas da distribuição do alimento físico, como o pão ou a sopa, mas acima de tudo do alimento espiritual, a Palavra, a bênção passada por cada voluntário a cada um dos necessitados.

Este trabalho tem-se estendido por todo o Portugal continental e ilhas e já são mais de 11,836 sopas distribuídas por todo o país, sendo que já existem muitos casos de pessoas que têm conseguido sair das ruas, obter casa, trabalho e uma vida digna!