Contraria o suicídio do pai

Fábio era adolescente, quando recebeu a notícia de que o seu pai se tinha suicidado por causa dos problemas financeiros.

Com os pais divorciados, Fábio já ajudava no sustento da família. Mas, após a morte do pai, pessoas próximas afirmavam que ele e o irmão teriam o mesmo futuro paterno. As dificuldades financeiras eram grandes. “Morávamos 15 pessoas numa casa de três assoalhadas. Quando chovia, o esgoto transbordava”, conta.

Mas, numa sexta-feira, ele aceitou o convite da sua namorada na época para ir à Universal. “Ali entendi qual era o causador de todos os problemas, inclusive o do suicídio do meu pai”, explica. Começou a aprender a tornar-se forte. Aos poucos, foi estruturando a sua vida profissional. “Passei a ter otimismo e perspetiva de mudança. Sou casado, temos uma fábrica de confeção num prédio de sete andares e lojas. Porém, temos o principal: a presença de Deus”.