Você ainda consegue ler e se concentrar?

Internet está incapacitando pessoas de lerem, afirma neurocientista

A neurocientista cognitiva americana Maryanne Wolf, diretora do Centro de Dislexia, Aprendizagem Diversa e Justiça Social da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA), acaba de publicar o livro “O Cérebro no Mundo Digital – Os desafios da leitura na nossa era”.

Na obra, a especialista fala que a leitura realizada em telas (smartphones, tablets, computadores…) tem atrofiado a capacidade das pessoas de se concentrarem, entenderem argumentos complexos e até mesmo fazerem leituras críticas a respeito dos mais variados temas.

“As pessoas estão percebendo que algo está mudando em si mesmas. E é seu poder de leitura”, contou Wolf à BBC.

De acordo com ela, quando leem em telas, as pessoas tendem a “passar os olhos” pelo texto, em vez de se concentrarem nele. Além disso, existem diversas distrações, como notificações de aplicativos.

Essa prática atrofia a capacidade de leitura. Consequentemente, impede que o leitor receba os benefícios que uma leitura aprofundada concede, como aumento de vocabulário, formação de pensamento crítico e capacidade de argumentação.

“Ao apenas ‘passar os olhos’ em um texto a pessoa passa por cima da argumentação, dos pontos mais sofisticados do texto, e receberá menos da substância de pensamento que é importante para a análise crítica”, relata Wolf. “É isso o que me preocupa nos mais jovens: eles estão desenvolvendo uma impaciência cognitiva que não favorece a leitura crítica”.

Os prejuízos são ainda maiores

Há anos o escritor Renato Cardoso tem alertado, em seu blog, para os perigos do uso excessivo de internet. Sobre esse assunto, Cardoso afirma que “nossos hábitos de consumo de informação estão acabando com nossa sociabilidade, produtividade, poder de atenção e criatividade”.

Ou seja: não é apenas a atenção que é que atrapalhada pela leitura desconcentrada das telas. Outras áreas da vida também são afetadas.

“Não sabemos mais interagir com as pessoas. Não produzimos tanto no trabalho como poderíamos. Temos dificuldade de focar em algo por muito tempo. Praticamente não criamos mais nada. Apenas consumimos informações que nos bombardeiam a cada poucos segundos em uma tela perto de nós”, alerta ele.

Por isso, é tão importante saber controlar o uso que se faz das telas. Os adultos devem se questionar se estão utilizando a internet de maneira construtiva. Já as crianças devem ter seus horários de tela controlados por seus pais ou responsáveis.

A questão não é se proibir de ler por meio das telas, mas evitar fazer a leitura típica desatenciosa. Escolher bem o que será lido e dedicar atenção real àquele texto.

“Não me leve a mal: eu amo tecnologia. Mas confesso que já senti muitos desses sintomas da sobrecarga de informação”, explica Renato.

Essa sobrecarga de informação é capaz de fazer mal até mesmo espiritualmente. Afinal, se as pessoas não conseguem mais se concentrar e entender o que está escrito, como poderão ler atenciosamente a Palavra de Deus? Como saberão a vontade de Deus para suas vidas?

Foco no espiritual

Se você deseja aprender mais sobre a fé que agrada a Deus, compareça a uma Universal.

Conheça a Universal mais perto de si.

Fonte: universal.org