UNP sul recebe diretrizes para o trabalho realizado no futuro

No último domingo, foi realizada a primeira reunião com todos os voluntários da UNP da zona sul do país

A reunião teve lugar na Igreja Universal de Loulé, tendo vários voluntários marcado presença no local. Esta oportunidade serviu para que todos recebessem as diretrizes deste trabalho que tem vindo a ser realizado em 42 estabelecimentos prisionais, de acordo com as direções governamentais em virtude da pandemia que tem afetado o mundo. Como consequência, o trabalho ficou muito restrito e o cuidado teve que ser redobrado para evitar problemas futuros.

O pastor Francisco Silva, responsável pelo trabalho da UNP em Portugal, orientou a todos que estiveram presentes sobre os vários pontos que iriam ser abordados, como por exemplo: como deve ser feito o trabalho da UNP nesta fase e a importância do trabalho evangelístico à entrada das prisões; como abordar os familiares à entrada dos estabelecimentos prisionais e como realizar o partir do pão na casa das famílias dos reclusos.

As portas foram abertas para todos os obreiros que desejem entrar nas prisões e visitar os reclusos, como o amigo que tantas vezes lhes faz falta. Muitos carecem também de receber um livro que tenha sido doado na Igreja ou literatura para preencher o seu tempo de forma produtiva.

Outros factos também foram realçados, como não responder a críticas ou perseguições, obedecer às autoridades e não revelar qualquer tipo de resistência neste sentido… entre outros assuntos de interesse.

Relativamente à mensagem divulgada, o pastor falou a propósito de João Batista, quando o Senhor Jesus disse: “E Eu vos digo que, entre os nascidos de mulheres, não há maior profeta do que João o Batista…” (Lucas 7.28).

“Ora, João Batista antecedeu a primeira vinda de Jesus e hoje em dia nós somos João Batista, estamos a anteceder a segunda vinda de Jesus, levando as pessoas ao arrependimento, ao entendimento da necessidade de uma entrega a Deus, tanto fora como dentro da prisão. Fazendo isso, Deus será glorificado nas nossas vidas, mediante a salvação destas almas”, explicou.

Foi uma tarde muito especial na vida de todos que fazem parte deste trabalho no Algarve. No final, todos saíram do local esclarecidos relativamente à forma como deverá ser realizado o trabalho da UNP em Portugal.