Um em cada três trabalhadores em risco de burnout

Fonte de Imagem: Adobe Stock

“Quando a pressão se torna excessiva, difícil de gerir e se prolonga no tempo, pode transformar-se em stress crónico e afetar a vida pessoal e familiar, a saúde e, claro, o desempenho profissional”, afirma a Deco

De acordo com uma notícia publicada no jornal Público, um terço dos trabalhadores estão em risco de esgotamento profissional e cerca de metade queixa-se da falta de apoio dos supervisores em situações de maior stress, indica um estudo da Deco.

Segundo um estudo da Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (Deco), os profissionais em maior risco de desenvolver crises de burnout (esgotamento profissional) são os empregados de lojas e supermercados (43%), profissionais de saúde (não médicos, 39%) e quem trabalha em serviços administrativos (37%) ou em profissões ligadas ao ensino (28%).

Paralisada da cabeça aos pés

Foi devido a muitas horas de trabalho que Irene ficou com o corpo paralisado, da cabeça aos pés. “Chegava a trabalhar 24 sobre 24 horas… até que tive um sinal antes desta situação acontecer, pois  estava a trabalhar e, de repente, o meu corpo começou todo a tremer. Inclusivamente, o meu marido teve que me ir buscar ao trabalho, pois eu não estava em condições.

Embora depois de descansar isso tivesse passado, uns meses mais é que adquiri a paralisia total. O médico informou-me que era uma doença degenerativa, que eu não iria voltar a andar e que não podia fazer nada, sendo que não sabiam onde estava o problema.

Cheguei à Universal desta forma… porém, comecei a fazer as correntes de oração, os propósitos de fé pela saúde e por tudo na minha vida e foi quando comecei a ver um milagre. Através das minhas orações, aos poucos, comecei a andar e prometi a mim mesma que iria voltar a usar saltos altos e hoje uso-os. Hoje em dia, faço tudo, estou bem, trabalho e Deus é o meu guia.”