Quanto mais se tem, menos pode ser

O amor ao dinheiro é a raiz de todos os males

Muitas pessoas conhecem a história de Zaqueu. Aquele homem de baixa estatura que subiu em uma árvore para ver Jesus. Porém, poucos notam um detalhe nessa passagem registrada em Lucas 19:1-10.

Primeiro, precisamos entender o contexto dessa passagem. Zaqueu era um cobrador de impostos. Pessoas que se valiam dessa ocupação, geralmente, eram muito ricas. Em parte porque era comum eles cobrarem um valor maior do que o justo. Eram desonestos. Vale lembrarmos que João Batista já havia alertado alguns cobradores de impostos sobre a prática da ganância (Lucas 3:12-13). Além disso, Zaqueu não era qualquer cobrador de impostos, ele era chefe deles. Assim, o desejo por luxo, poder, usura e acúmulo de bens dominava os ímpetos do coração daquele homem.

Todavia, por ouvir falar de Jesus e seus feitos, Zaqueu nutria em seu coração vê-Lo. Ao encontrar-se com o Senhor Jesus, Zaqueu experimentou o Novo Nascimento. Aquele homem que antes tinha o seu foco no dinheiro e em si mesmo, agora descobre algo infinitamente mais valioso, a Fonte da Vida. Pronto, ali Zaqueu se tornou uma nova pessoa. Alguém que ainda era rico, mas o dinheiro já não lhe dominava mais.

O dinheiro: servo ou senhor?

Infelizmente, nos dias de hoje, dentro das igrejas, há cristãos que dizem servir a Deus, mas, na verdade, é o dinheiro que conduz suas vidas. Sem perceber, essas pessoas estão fazendo do dinheiro o seu senhor. Não há nenhum mau ter o dinheiro. O problema é quando ele, em vez de servo, se torna senhor do seu possuidor.

O Senhor Jesus disse que quem O seguisse receberia cem vezes mais ainda neste mundo e, no porvir, a vida eterna (Marcos 10:29-30). É uma promessa. E, se Ele prometeu, vai cumprir.

Contudo, Ele também contou uma parábola sobre este tema. Havia um homem rico que produziu com tanta abundância que o resultado não cabia em seu estoque. Então, ele teve a ideia de construir armazéns ainda maiores. Satisfeito com a proposta, ele pensou consigo mesmo: vou comer, beber e descansar (pois, o longo prazo está garantido). Porém, o próprio Deus lhe disse: “Louco! Esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será?” Lucas 12:20

Portanto, cuidado para não atravessar a linha tênue entre a bênção e a maldição. Porque quanto mais se tem menos pode ser. Se Deus entregar mais dinheiro para quem é ganancioso, Ele só estará acelerando a perdição dessa pessoa, enviando-a para condenação eterna com mais rapidez. Porque, a pessoa irá se autodestruir. Não se trata de castigo. Trata-se de escolhas, de prioridades, de foco, da própria pessoa. Desse modo, faça uma autoavaliação aí mesmo onde você está e reflita.

Lembre-se: quanto mais uma pessoa se distancia de Deus, mais ela se perde (e as consequências são catastróficas e, por vezes, irreversíveis). Um centímetro longe do Criador hoje, torna-se um quilômetro de distância amanhã.

Fonte: Universal.org