“Projeto HELP” distribui cartas para prevenir o suicídio

Paralelamente à pandemia que se alastrou pelo mundo, uma outra epidemia começou a ter efeitos nefastos sobre a população, falamos do suicídio, o ato perverso de colocar fim à própria existência quando parece não haver saída possível

Segundo o jornal Expresso, o número de pessoas que telefonam para a SOS Voz Amiga, a mais antiga linha telefónica de prevenção do suicídio em Portugal aumentou desde o início da pandemia, na realidade o valor quase que duplicou, passando de cerca de 600 para 800, contabilizando aquelas às quais não conseguiram dar resposta.

Embora as pessoas liguem pelas mesmas razões que antes, segundo Francisco Paulino, presidente da SOS Voz Amiga, existe algo de diferente nelas. Estão “mais ansiosas”, algumas delas já perderam o emprego e outras receiam vir a perdê-lo.

Solidão, inclusivamente a “solidão em família”, mas, hoje em dia, sobretudo a ansiedade. De acordo com o presidente em entrevista ao jornal Expresso, “verifica-se já um acréscimo no número de chamadas por problemas económicos”, de pessoas que perderam o emprego ou receiam vir a perdê-lo, “à semelhança do que aconteceu durante a crise económica de 2008”.

HELP distribui cartas como forma de apelo

Milhares de cartas foram distribuídas por todo o país. Colocadas em vários pontos de acesso onde, normalmente, as tentativas de suicídio acontecem (por exemplo: linhas de comboio, pontes, matas ou florestas, beira rio…), ou seja, locais isolados que muitas pessoas procuram para cometer o ato mais isolado e solitário de todos.

O Projeto Help, desde a sua criação, tem vindo a desenvolver várias iniciativas, nomeadamente, a caminhada contra o suicídio, e as diversas live’s “Help” que foram realizadas durante toda a quarentena, sempre com o objetivo de ajudar os jovens com desejo de suicídio, que praticam a automutilação ou que sofrem de depressão.

Após a distribuição das cartas, foram centenas as ligações recebidas para o número da Central da Força Jovem Universal (FJU), como também as várias mensagens de pedido de ajuda e agradecimento nas redes sociais da FJU Portugal.

O balanço da Linha de Apoio Emocional e Prevenção do Suicídio que se encontra em funcionamento na Central Jovem Universal tem sido positivo, já que, segundo o seu porta-voz: “Estamos a receber o dobro das chamadas que recebíamos”, o que significa que muitas pessoas têm recebido a ajuda tão necessária e que, com certeza, lhes dará esperança de um futuro melhor.