Natal: O verdadeiro significado

Sabe de onde vem a tradição religiosa mais esperada do ano?

A imagem que abre essa matéria representa uma das tradições natalinas mais repetidas nos últimos séculos. Entretanto, para entender o verdadeiro significado que essa data representa, primeiro é necessário entender o que é celebrado em 25 de dezembro. E não é o aniversário de Jesus. A Bíblia não cita a data de nascimento dEle, mas acredita-se que seja por volta de abril.

Vinte e cinco de dezembro é o aniversário de um deus, mas não do Deus cristão.

Natal: Entenda o verdadeiro significado

“Muitos cristãos, inocentemente, aderem a práticas religiosas sem ao menos se atentarem que, na realidade, repetem alguns dos mesmos atos e ‘rituais’ de culturas pagãs passadas. A comemoração do Natal e o ‘culto’ à sua árvore são exemplos de como muitos conseguem ser iludidos pela religião”, explica postagem do blog do Bispo Edir Macedo.

Conforme ele conta, a comemoração de Natal começa em Noé. A maldição que ele lançou sobre seu filho, Cam, fez com que o amaldiçoado fosse assassinado por seu próprio filho, Ninrode. Ninrode matou Cam para casar com a própria mãe, Semíramis. Depois, Ninrode foi morto por seu tio, Sem.

Semíramis, sua mãe e esposa, espalhou a mentira de que ele não havia morrido, e sim que havia ido para o céu, pois ele se dizia deus – o deus sol. Semíramis engravidou e dizia ser um presente dos deuses, que era a reencarnação de Ninrode; mas, na verdade, era fruto de uma traição, pois seu marido e filho já estava morto. E nasceu Tamuz, no dia 25 de dezembro.O culto a Tamuz nasceu com Semíramis e com as sacerdotisas guiadas por ela.

A imagem que abre essa matéria representa uma das tradições natalinas mais repetidas nos últimos séculos. Entretanto, para entender o verdadeiro significado que essa data representa, primeiro é necessário entender o que é celebrado em 25 de dezembro. E não é o aniversário de Jesus. A Bíblia não cita a data de nascimento dEle, mas acredita-se que seja por volta de abril.

Uma das tradições desse culto é cortar um pinheiro, levá-lo para casa e enfeitá-lo com ouro e prata. Sempre em 25 de dezembro, sinalizando o novo nascimento de Tamuz. Outro culto é a troca de presentes, realizado entre as sacerdotisas.

Espalhando o paganismo pelo mundo

Essa tradição durou tempo o suficiente para ser absorvida por outros povos, como era de costume na época. Um povo que chegava a determinada região adquiria seus costumes. Um grupo de pessoas que viajava a outra região também levava seus costumes. Quando se encontravam, diversas culturas eram misturadas.

Assim, o culto que chegou à Pérsia também foi adquirido pelos gregos, pelos egípcios e até pelos romanos.

Todas essas culturas já celebravam o solstício de verão, que é o dia mais longo do ano. Essa celebração está em acreditar que determinado deus é responsável pela fertilidade da terra após o inverno.

Comemorando o solstício sempre por volta de 25 de dezembro, ficou fácil para essas culturas adotarem a data de Tamuz.

A responsabilidade da igreja

O cristianismo crescia exponencialmente em Roma quando o imperador Constantino decidiu adotar a religião. Todavia, ele também precisava agradar às outras muitas religiões que haviam entre os romanos.

O que quase todos tinham em comum era a celebração à Tamuz, que em determinadas crenças variava de nome, um deles sendo Mitra.

“Tamuz e Semíramis passaram a se chamar Menino Jesus e Virgem Maria. Assim, o Natal continuou a ser comemorado como sendo o nascimento do menino Jesus, mas, na verdade, esse menino seria Tamuz, o deus pagão”, explica o Bispo.

Isso aconteceu em 313 d.C. desde então, afirma-se que no natal é considerado uma das datas mais importantes de muitas religiões, sendo que o verdadeiro significado do Natal não tem nada de cristianismo em sua origem.

Aliás, o natal se tornou sinônimo de comércio e falsa felicidade, levando muitas pessoas ao suicídio.

Fonte: Universal.org