“Não andeis ansiosas!”

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, uma em cada três pessoas no mundo sofre de algum tipo de transtorno psicológico, como, por exemplo, ansiedade. Entre o sexo feminino, 42% sofre com este problema, talvez motivadas pela pressão constante a que se encontram sujeitas, seja pelas constantes exigências do mercado de trabalho, da sociedade, da família…

Foi este o assunto abordado no decorrer da reunião especial dedicada às mulheres, do Godllywood Autoajuda, realizada sábado, dia 04 de maio, pelas 18 horas, no Templo Maior, em Lisboa. No vídeo transmitido logo no início da palestra, o Bispo Edir Macedo esclareceu qual o motivo que leva muitas mulheres a sofrerem de ansiedade, ou seja, a falta da presença do Espírito de Deus nas suas vidas.

“Por isso vos digo: não andeis ansiosos pela vossa vida, quanto ao que haveis de comer ou beber; nem pelo vosso corpo, quanto ao que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o alimento, e o corpo, mais do que as vestes?.” (Mateus 6.25).

Quando o mundo tudo oferece e, ao mesmo tempo, tudo exige, muitas mulheres acabam por se esquecer de cuidar do mais importante, das suas almas e é aí que acaba por se abrir espaço para a entrada da ansiedade, um mal que pode ser considerado espiritual, que deixa a pessoa inquieta e abre a porta para a depressão. “A ansiedade corrói como o cancro e destrói tudo o que é bom na vida da pessoa”, explicou o Bispo.

Daí, a necessidade de buscar em primeiro lugar o Reino de Deus, entregando a vida nas Suas Mãos, pois quem tem tem o Seu Espírito é cuidado por Ele. Afinal, só com o Espírito Santo é possível vencer as inquietações da alma, “sendo feliz dentro de si mesmo e crendo que tudo o que vier vem para o seu bem.”

No final da reunião, a palestrante Núbia Siqueira convidou as centenas de mulheres que lotaram o recinto principal do Templo Maior a buscarem o Espírito Santo, de forma a poderem superar qualquer ansiedade que as possa estar a atormentar e a buscarem forças para as lutas do seu dia a dia. Ainda antes de seguirem para os seus lares, todas puderam escutar uma mensagem que visou fortalecer a renovação da sua mente, de modo a que possam deixar sempre a Palavra de Deus entrar e fazer morada nas suas mentes.

Ser uma pessoa melhor

“Tenho vindo às palestras do AutoAjuda em busca de uma Palavra que venha me edificar e me fazer ver como me posso tornar uma pessoa melhor, desenvolvendo as minhas características e habilidades como mulher.

Desde que comecei a vir às palestras, comecei a conseguir colocar-me no lugar das outras pessoas e a olhar para mim reconhecendo quando estou a agir de forma egocêntrica. Por isso, aconselho todas as mulheres a participarem porque aqui conseguimos descobrir quem realmente somos e quais os talentos que existem dentro de nós.”

Dália

Incentivo e motivação

“Estou aqui pela primeira vez para assistir a uma palestra do AutoAjuda convidada pela minha tia. Estou curiosa por ser uma reunião dedicada apenas às mulheres e por visar o empoderamento feminino. Estou à espera de um movimento enorme, de um incentivo e de poder regressar. Espero sair daqui motivada e seguir o exemplo da minha tia.” 

Carina Correia

Nova visão

“Desde que ouvi falar do AutoAjuda na minha Igreja que decidi começar a participar, a fim de me conhecer melhor e de melhorar a minha autoestima. Tenho vindo a tornar-me uma pessoa mais tranquila e a adquirir uma visão diferente de quem realmente sou. Aconselho todas as mulheres a virem participar nas palestras, pois sairão daqui com uma perspetiva de vida diferente e com vontade de voltarem na próxima palestra.”

Carla Dinis

Um investimento

“Desde 2016 que venho às palestras do AutoAjuda e decidi começar a vir porque sabia que existiam em mim alguns fatores que precisava de melhorar, enfim, queria ser uma mulher melhor. Como sempre fui uma mulher muito ocupada e nunca tinha tempo para nada, ao ouvir falar que aqui me poderiam ajudar, então, decidi mesmo vir e aprender.

Desde que comecei a vir, notei uma grande mudança em termos disciplina, organização no dia a dia. Para além disso, também percebi que mudei a minha maneira de estar com o meu marido e, desde que fui mãe, tem-me ajudado muito a saber lidar com as situações novas, a não ficar demasiado preocupada.

Aconselho todas as mulheres a não perderem esta oportunidade de dedicarem um pouco de tempo a si mesmas e de investirem no seu potencial.”

Ângela Franco