Celulares e compras não transmitem o novo coronavírus, afirmam cientistas

Itens manuseados no dia a dia não possuem presença suficiente do vírus

Usar o celular na rua, receber encomendas em casa, compartilhar o carrinho de compras… Provavelmente, nenhuma dessas atividades é capaz de fazer com que alguém contraia o novo coronavírus.

Essa é a conclusão a que chegou um estudo do Centro de Controle e Prevenção de Doenças em Pequim. De acordo com os resultados, vírus encontrados em superfícies raramente estão em quantidade suficientes para o contágio.

Foram analisados 22 tipos de superfícies diferentes. Todas elas utilizadas por pacientes de COVID-19. Apenas dois eram capazes de manter o novo coronavírus em quantidade significativa: banheiros públicos e superfícies de alguns pisos.

Em itens utilizados no dia a dia não apresentaram perigo. Celulares, por exemplo, conhecidos por manter milhões de germes vivos, não se demonstraram superfície prolífica para o novo coronavírus.

“Essas observações não apoiam a crença generalizada de que a transmissão direta por contato com superfícies desempenha um papel importante na propagação do COVID-19”, declarou o coordenador da pesquisa, professor Jianxim Ma. “Nós mostramos que a superfície de celulares e vários outros itens manuseados, frequentemente, por pacientes com COVID-19 apresentaram probabilidade muito baixa de presença do novo coronavírus”.

Fonte: Universal.org