Casos de cura são cerca de 90%

O número de vítimas do novo coronavírus consideradas “recuperadas” na China chegou a 67 mil nesta semana e é hoje muito maior do que os casos considerados “ativos” da doença

Um pouco por todo o mundo, os médicos têm dispensado os pacientes quando estes deixam de apresentar uma série de sintomas, mas continuam a acompanhá-los à distância. A “alta”, tecnicamente, ocorre depois de um período extra de observação por mais 14 dias, além das duas semanas de quarentena. Segundo os profissionais de saúde, o critério mais importante para dispensa tem sido a convicção pela avaliação clínica de que a doença parou de progredir, principalmente na parte respiratória.

Os curados

A maior parte dos pacientes na China já foram dispensados, e mais de 90% dos casos em andamento estão no resto do mundo, mas, segundo os médicos, quando o paciente pára de apresentar febre e não tem nenhuma evidência de progressão no quadro respiratório, é hora de ir para casa e fazer o acompanhamento lá.

Quinta pessoa curada em Portugal

Adriano Maranhão foi o primeiro português infetado com o novo coronavírus a receber alta hospitalar no Japão, depois de resultados negativos nas análises. Das pessoas infetadas em Portugal, cinco recuperaram. De acordo com os dados mais recentes, há 7.732 contactos em vigilância pelas autoridades de saúde. Atualmente, há 24 cadeias de transmissão ativas em Portugal.

Conheça a Universal mais perto de si.

Fonte: sicnotícias.pt; cmjornal.pt