A transição para a Década da Força

A Vigília da Passagem de Ano sempre teve um papel determinante na vida dos seus participantes, porém, a entrada em 2020 permitiu, mais do que fazer uma lista de decisões, definir uma década inteira

Marcada para as 22h da noite de 31 de dezembro, de todos os cantos da capital e até do resto do país começaram desde cedo a chegar os grupos de pessoas que sempre fazem questão de passar o ano na presença de Deus.

Denominada de Vigília da Força, esta passagem de ano teria um simbolismo muito especial para todos, já que se tratava da transição não apenas para o início de um novo ano, mas também de uma nova década.

Logo no início do evento, foi transmitida uma retrospetiva dos acontecimentos mais marcantes no que toca o percurso da Universal no país, com principal incidência em 2019. E, como é sabido, nem tudo foi positivo, dado que a Igreja esteve sujeita a lutas, perseguições, calúnias, difamação e injustiças, especialmente nos últimos três anos, mas, no final, e porque Deus é acima de tudo justo, a Igreja de Cristo prevaleceu.

Foi este o preâmbulo que o bispo Domingos Siqueira começou por fazer, convidando logo em seguida à frente do Altar todos aqueles para quem o ano de 2019 tinha sido feito de lutas e de frustração, mas também os que ali se encontravam pela primeira vez e desejavam receber uma oração para que alcançassem a paz e o alívio tão desejados.

Munidos dos seus projetos para 2020, seguiram-se as orações de clamor, de fé e de confirmação da realização de todos os pedidos que já vinham a ser projetados no coração de muitos, antes mesmo da noite de 31.

Após várias orações pelas diferentes áreas da vida, o bispo Edir Macedo transmitiu a mensagem especial que tinha reservada para aquela noite tão importante para a grande maioria. Procedendo à leitura de João 7.37, “Se alguém tem sede, venha a Mim, e beba”, o bispo ressaltou o convite feito pelo Senhor Jesus a todos os que tivessem sede… mas, sede do quê? Do Seu Espírito, ou seja, da Fé.

“E no último dia, o grande dia da festa, Jesus pôs-se em pé, e clamou, dizendo: Se alguém tem sede, venha a Mim, e beba. Quem crê em Mim, como diz a Escritura, rios de água viva correrão do seu ventre. E isto disse ele do Espírito que haviam de receber os que n’Ele cressem…” (João 7.37-39)

Com base nesta passagem, o bispo Macedo alertou que tudo na nossa vida é o resultado daquilo que plantamos, ou seja, se plantamos o que é bom, colheremos algo idêntico. O problema coloca-se porque o coração humano é de índole enganadora, levando as pessoas a tomar atitudes fundamentadas nas emoções.

Ora bem, é precisamente o Espírito Santo que proporciona o discernimento, a capacidade para fazer as escolhas acertadas, porque é Ele Quem dirige o ser humano para aquilo que é bom. Por isso, ser batizado com o Espírito de Deus é crucial, o que de mais importante plantamos para uma vida feliz, realizada, com os resultados desejados… tendo sido este mesmo batismo que todos foram estimulados a buscar na noite de transição, que é a da Virada.

Entregar a própria vida inteiramente a Deus foi o primeiro passo proposto a todos os presentes, convite aceite pela certeza de que Jesus Se fazia presente naquela noite, naquele local, disposto a matar a sede de quem a Ele se dirigia. Seguiu-se, então, uma intensa busca pelo Bem Maior, que se prolongou quase até à meia-noite, momento exato em que todos participaram da Santa Ceia especial, composta pelo Pão da Bênção e pelo Cálice da Salvação.

A Vigília da Passagem de Ano permitiu, desta forma, a todos os que assim o desejaram a passagem para uma nova existência, aquela com que sempre sonharam e ainda não tinham alcançado. Milhares decidiram o seu futuro nesta noite especial, fazendo um pacto com Deus, que produziu a certeza de que 2020, o início da Década da Força, já estaria nas suas mãos!